Notícias

Banco de Portugal traz uma inovação e poderá contribuir para a Descarbonização

Banco de Portugal acaba de fazer um anuncio inesperado e inovador. O Banco de Portugal anunciou a implementação de medidas significativas em seu novo Programa de Descarbonização. Portanto, nisto com o objetivo de atingir a neutralidade carbónica até 2050.

Uma das medidas mais destacadas é o compromisso de utilizar algodão 100% sustentável ou proveniente do comércio justo para a produção de notas. Neste sentido estando diretamente refletindo um esforço concreto para reduzir o impacto ambiental das atividades da instituição.

Metas do Banco de Portugal

As metas estabelecidas no programa são ambiciosas, indo além das exigências da legislação nacional e europeia, e estão alinhadas com os objetivos do Acordo de Paris. O Banco pretende reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em pelo menos 60% até 2030, 80% até 2040 e 90% até 2050, em comparação com os níveis de 2018. Além disso, compromete-se a compensar progressivamente as emissões residuais através da aquisição de direitos de emissão ou da promoção direta de projetos de captura.

Para poder alcançar esses objetivos, foi elaborado um plano de ação abrangente, que inclui medidas relacionadas com instalações, mobilidade sustentável, produção e emissão monetária, gestão de ativos financeiros, entre outras. Destacam-se as iniciativas como a utilização de eletricidade proveniente exclusivamente de fontes renováveis, a implementação de políticas de teletrabalho para reduzir as deslocações, tanto o incentivo ao uso de veículos híbridos ou elétricos e a aquisição de créditos de carbono.

Além disso, o Banco de Portugal está a reforçar os investimentos em títulos verdes e a implementar uma política de compras sustentáveis. A formação e sensibilização dos colaboradores também fazem parte do plano, visando promover uma cultura organizacional voltada para a sustentabilidade.

Essas medidas refletem o então compromisso do Banco de Portugal em contribuir para a redução das emissões de gases com efeito de estufa e para a transição para uma economia mais sustentável. E nisto, alinhada com as melhores práticas ambientais e os objetivos globais de combate às alterações climáticas.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo